Planejamento financeiro para autônomos: aprenda a montar

Por Foregon

mulher empreendedora trabalhando com máquina de costura

O profissional autônomo, assim como qualquer outro formato de empresa, precisa ter um planejamento financeiro para o crescimento estratégico do negócio. É a partir dessa gestão que torna-se possível tomar melhores decisões e criar metas de curto, médio e longo prazo.


Conheça as principais dicas de controle financeiro para profissionais autônomos e aumente a lucratividade de sua empresa de forma gradativa!


1. Idealize as suas receitas



O primeiro passo para elaborar um planejamento financeiro é saber o quanto você pretende ter de receita mensal e anual. A partir disso, torna-se mais fácil planejar as suas despesas no futuro.


Mas, afinal, como é possível saber quanto vai entrar no caixa? Confira algumas dicas e esclareça as suas dúvidas:


  • Analise o histórico do negócio: se você está atuando no mercado há um tempo, provavelmente tem uma noção de quantas vendas são realizadas por mês. O ideal é usar esse histórico para planejar suas receitas e empenhar-se para bater essa meta todos os meses;

  • Estude a concorrência: toda empresa, seja ela nova ou consolidada, deve estudar a concorrência a fim de adotar melhores práticas. Sendo assim, se você já quer começar com um planejamento financeiro, faça uma visita ao seu concorrente, observe o movimento, anote tudo e tente encontrar uma média de clientes que ele fecha por mês;

  • Saiba quem são seus clientes potenciais: essa pode ser uma etapa complexa, porém é uma forma segura de ter uma média de seus potenciais clientes. Para isso, realize um questionário (há muitos modelos prontos na internet) e tente obter o máximo de respostas das pessoas que provavelmente comprariam de você.


Depois de conseguir todas as respostas necessárias, analise quais são as características dos entrevistados, como idade, gênero, renda, perfil profissional, entre outras.


Em seguida, veja quantas pessoas existem na sua região com as mesmas características. Com essas informações, avalie o quanto você poderia atender por mês e programe as suas vendas!


Programar as suas receitas permite que você projete as suas vendas, tenha mais controle do dinheiro que entra no caixa e acompanhe se tudo está indo conforme o planejado.


Essa gestão também é essencial para que você consiga separar qual é o seu dinheiro enquanto Pessoa Física e o de seu empreendimento.


Por fim, lembre-se de avaliar se o seu empreendimento possui algum período de sazonalidade, ou seja, momentos em que as vendas sobem ou caem devido a algum motivo geográfico ou demográfico.


Assim, você consegue se planejar com antecedência e evita passar perrengues nos meses de vendas fracas.


2. Saiba quais são seus gastos fixos e variáveis



Agora chegou o momento de saber quais são os seus gastos fixos, ou seja, aqueles que não mudam independente do quanto você vende (aluguel, energia, transporte, etc.) e os variáveis, que alteram se você vende mais ou menos (comissões, impostos, entre outros).


Com essas informações em mãos, você consegue se planejar para saber o quanto pode gastar no mês, principalmente no que se refere às despesas fixas. Se você conseguir organizar as suas receitas, ficará mais fácil visualizar o quanto você pode investir no seu negócio gradativamente e evitar dívidas.


3. Negocie com fornecedores



Em algum momento da sua jornada como profissional autônomo, você precisará contratar fornecedores de matérias primas ou ferramentas. E é nesse momento que você deverá saber como negociar os melhores preços e condições de pagamento para manter o seu negócio financeiramente saudável.


Saiba que o ideal é sempre fazer, pelo menos, três orçamentos antes de fechar negócio com um fornecedor e escolher aquele que oferece o melhor custo-benefício. Além disso, você pode deixar a vergonha de lado e pedir descontos! Uma boa habilidade em negociação é essencial na vida de qualquer profissional autônomo.


4. Reavalie o seu planejamento financeiro



O planejamento financeiro deve ser reavaliado frequentemente, afinal, você precisa saber se tudo está saindo como planejado.


Se a entrada de receita está saindo de acordo com as suas projeções, ótimo! Você está fazendo um excelente trabalho, porém, se para bater a meta foi necessário aumentar as despesas em algum momento, chegou a hora de se replanejar!


Não deixe que as despesas sejam maiores que as receitas, pois isso pode virar uma bola de neve. Saber dar um passo para trás é fundamental para, depois, dar dois para frente.


5. Saiba o que fazer com o lucro



É fato que todas essas estratégias citadas ao longo do artigo devem ser tomadas a fim de trazer lucro para o negócio, não é mesmo?


Mas o que fazer com ele? Aumentar o padrão de vida? Esse não é o melhor caminho, a não ser que você já tenha uma reserva de emergência e controle total das finanças do seu empreendimento.


Saiba que as empresas de rápido crescimento no mercado são aquelas que investem grande parte do lucro no próprio negócio.


A vontade de utilizar aquele dinheiro suado pode até ser grande, porém, se o objetivo é ter um negócio cada vez mais lucrativo, é necessário abrir mão de certas regalias.


Lembre-se que investir na própria capacitação também é um investimento em seu negócio, combinado?


Esperamos que essas dicas de planejamento financeiro tenham sido úteis para você. Em caso de dúvidas ou sugestões, deixe o seu comentário para nós. 


Até a próxima!





Continue acompanhando o Se Torne Investidor para mais dicas sobre finanças!






0/Deixe seu comentário

Agradecemos sua mensagem!

Em breve responderemos! 😉